Politica: ‘JN’ pega leve com Bolsonaro; GloboNews questiona reeleição

A frase “Chefe, o Brasil está quebrado, eu não posso fazer nada. Eu queria mexer na tabela do Imposto de Renda, teve esse vírus, potencializado por essa mídia que nós temos. Essa mídia sem caráter. É um trabalho incessante de tentar desgastar para tirar a gente daqui e atender interesses escusos da mídia”, dita por Jair Bolsonaro a um apoiador e captada por equipes de reportagem na saída do Palácio da Alvorada, na terça-feira (5), teve repercussão bombástica na mídia e nas redes sociais.

A maioria dos telejornais da noite destacou a declaração controversa na escalada (o anúncio das manchetes feito pelos apresentadores na abertura da edição). Mas, estranhamente, o ‘JN’ minimizou a notícia. Não tocou no assunto ao apresentar os destaques e só dedicou 1 minuto ao fato mais comentado do dia no País. A tal explicação do presidente foi editada: Bonner leu o trecho inicial com entonação semelhante à de um ator interpretando um texto. Não foi usada a imagem nem o áudio do presidente, como fizeram outros canais.

Menos de uma hora depois do fim do ’JN’, os comentaristas do ‘Em Pauta’, na GloboNews, dispararam críticas contra a alegação de Bolsonaro. Eliane Cantanhêde e Andréia Sadi negaram que o Brasil esteja quebrado. Disseram que a frase do presidente deixa investidores inseguros e prejudica a economia do País.

Homem de confiança do clã Marinho, dono do Grupo Globo, Merval Pereira destacou outra afirmação de Bolsonaro na rápida conversa com simpatizantes em Brasília: “Vão ter que me aguentar até o final de 2022”. Na interpretação do veterano jornalista, o presidente sinalizou que pode desistir de disputar um segundo mandato na eleição a ser realizada no final do ano que vem.

Fonte: PORTAL terra/MBCnews