Politica: Decisão da Justiça deixa Bolsonaro mais longe do Patriota

Uma decisão liminar do desembargador Rômulo de Araújo Mendes, do TJ-DF (Tribunal de Justiça do Distrito Federal), deixou a filiação do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ao Patriota ainda mais embolada.

O desembargador determinou que 4 delegados afastados pelo presidente do partido, Adilson Barroso, para viabilizar mudanças no estatuto e consequente filiação de Bolsonaro retornem imediatamente aos seus postos. Voltam às funções: Ovasco Altimari, vice-presidente da sigla, Ulisses de Almeirda, Bárbara de Freitas e Marcelo Rosa.

Os delegados foram retirados dos cargos por Barroso em convenção realizada em 31 de maio. O presidente da sigla tentou abrir caminho nos diretórios para facilitar a filiação de Bolsonaro e de seus aliados. Sofreu retaliação do grupo contrário.

Integrantes da executiva nacional também entraram com um requerimento no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) contra as decisões. Altimari afirmou que Barroso descumpriu a convenção do partido e impôs mudanças para abrigar Bolsonaro e seus filhos na legenda.

A ala contrária à filiação do chefe do Executivo decidiu, em convenção, afastar o atual comandante da sigla e aliado de Bolsonaro, Adilson Barroso, por 90 dias. O grupo de Barroso, porém, disse que não havia legitimidade na reunião convocada pelo vice-presidente, Ovasco Altimari, que se tornaria o presidente interino.

Fonte: Poder360/Mbcnews
Mais Detalhes: mombacanews.com