Polícia Civil passa novos detalhes sobre a investigação da morte do prefeito de Granjeiro

veículo apontado nas investigações da Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE) como o transporte utilizado pelos suspeitos da morte do prefeito de Granjeiro seria colocado à venda. É o que mostram as apurações da força-tarefa montada pela Polícia cearense que apura o crime. O Volkswagen Polo cinza foi apreendido, na última quinta-feira (16), em uma revendedora de carros, na cidade de Timon, no Maranhão, sem as placas originais. Durante os trabalhos policiais na cidade piauiense, os policiais civis prenderam dois homens em flagrante.

A ofensiva no Piauí foi conduzida pela Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE), que atua de forma ininterrupta para capturar os suspeitos. Agentes do Grupo de Apoio Operacional da Polícia Civil do Estado do Piauí (PCPI) e da Polícia Militar do Piauí (PMPI) deram apoio. Os detalhes do caso foram divulgados em coletiva de imprensa, na manhã segunda-feira (20), na sede da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), em Fortaleza.

Com base no levantamento policial realizado para apurar as circunstâncias da morte do prefeito de Granjeiro, a Polícia Civil cearense identificou o veículo utilizado pelos criminosos para cometer o crime: um Volkswagen Polo cinza, de placas QQW-9591, de Belo Horizonte/MG. Ele foi localizado trafegando, na semana passada, pelas vias de Teresina.

Diante da informação, a força-tarefa montada pela Polícia Civil do Ceará se deslocou para a cidade piauiense e conseguiu localizar o veículo. De acordo com as apurações, Carlos Alberto Ferreira Cavalcanti (32), natural de Teresina, utilizou o automóvel, que estava com restrição de roubo, e já teria negociado com um proprietário de um revenda de veículo para colocá-lo à venda.

As diligências feitas pelos policiais civis culminaram na identificação do endereço da casa de Carlos Alberto, no bairro Gurupi. Na noite da quinta (16), os agentes foram até a localidade para abordar o investigado, mas quando notou a presença dos policiais, ele começou a atirar.

Para fugir da abordagem, o suspeito empreendeu fuga e se escondeu em um matagal. Após negociar a rendição, Carlos Alberto se apresentou às equipes policiais e foi conduzido para realização do procedimento policial, na sede da Central de Flagrantes, no bairro Centro-Sul.

O veículo, contudo, não foi encontrado na casa do suspeito. Ele foi autuado por tentativa de homicídio contra os agentes de segurança pública e receptação. Consta na ficha criminal do suspeito daquele estado uma passagem por estelionato.

O veículo Polo foi localizado em uma revenda de veículos, em Timon, no Maranhão. Os policiais civis foram até o local e encontraram o automóvel já sem as placas originais. O proprietário do estabelecimento, identificado como Ronndinere Francino de Andrade, entregou aos agentes as placas que haviam sido retiradas e foi conduzido para a unidade policial, onde foi autuado em flagrante pelo crime de receptação.

As investigações acerca da morte do prefeito de Granjeiro seguem em andamento e são conduzidas pelo Departamento de Polícia Judiciária do Interior Sul (DPJI Sul), com apoio das delegacias regionais de Crato e de Juazeiro do Norte.

Na quinta-feira (9), a Polícia Civil apresentou detalhes do caso e divulgou a identidade de um dos investigados. O Poder Judiciário determinou que Vicente Félix de Souza (60), pai do atual prefeito de Granjeiro, utilize tornozeleira eletrônica e mantenha-se em área de restrição específica, como medida cautelar.

Um segundo veículo apontado nas investigações, modelo Chevrolet S10, de propriedade de um parente de Vicente, foi apreendido no mesmo dia. Documentos e aparelhos celulares encontrados em endereços da casa do Vicente Félix também foram apreendidos e encaminhados para a Perícia Forense do Estado do Ceará (Pefoce) para serem submetidos à análise pericial.

Denúncias

A Polícia Civil segue com as apurações para analisar o material apreendido na operação e não divulga mais informações no momento para não comprometer o andamento das investigações. A população pode colaborar com as investigações através dos canais de denúncias. As denúncias podem ser feitas para o número 181, o Disque-Denúncia da SSPDS, ou ainda para o número (88) 3102-1116, da Delegacia Regional de Juazeiro do Norte. O sigilo e o anonimato são garantidos.

Fonte: Igautu Net