Pandemia: PF mira contratos milionários sem licitação em Pernambuco

A Polícia Federal desencadeou na manhã desta terça-feira, 16, as Operações Antídoto e Casa de Papel para investigar supostas irregularidades em contratações municipais para combate à pandemia em Pernambuco.

No centro das investigações estão as empresas FBS Saúde Brasil Comércio de Material Médicos e AJS Comércio e Representação, que firmaram contratos com a Secretaria de Saúde do Recife para fornecimento de equipamentos hospitalares e aventais.

Segundo o MPF, a FBS, por exemplo, teria fechado contrato de R$ 81,1 milhões com a prefeitura da capital pernambucana, mas tem capital social de R$ 100 mil e somente um funcionário registrado.

Na Casa de Papel, que mira a AJS, são cumpridos 35 mandados de busca e apreensão para investigar os crimes de organização criminosa, lavagem de dinheiro, falsidade ideológica, corrupção ativa e dispensa indevida de licitação. Cerca de 160 policiais federais participam das ações.

Já na Antídoto, a PF investiga a FBS e foca nos contratos da prefeitura de Recife, realizando seis buscas para apurar falsidade ideológica, peculato e dispensa indevida de licitação

Segundo o Ministério Público Federal, as ações são realizadas em Recife, Paulista, Jaboatão dos Guararapes, Olinda, Camaragibe, Carpina e Cabo de Santo Agostinho.

A Procuradoria indicou ainda que a Justiça também quebrou os sigilos bancário e fiscal dos possíveis envolvidos no caso da contratação da FBS Saúde Brasil.

As prefeituras envolvidas negaram irregularidades.

Com informações do Estadão Conteúdo.