Demissão de Mandetta é rejeitada por 76,2%, diz pesquisa da Atlas Político

A provável demissão do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, é rejeitada por 76,2% dos entrevistados pela consultoria Atlas Político, segundo pesquisa divulgada nesta quarta-feira. O ministro é o mais bem avaliado integrante do governo Jair Bolsonaro e tem amplo respaldo da população na defesa de medidas de isolamento social: 72,2% apoiam a quarentena durante a crise do novo coronavírus, mesmo com a queda de renda mensal, que é relatada por 51,6%.

Apesar das críticas do presidente Bolsonaro à sua atuação, Mandetta é avaliado de forma positiva por 64% dos entrevistados e de forma negativa por 17% — a menor rejeição entre os integrantes do governo.

A imagem do ministro da Saúde é melhor do que a do ministro Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública), que registra 53% de avaliação positiva e 37% de negativa, e do que a do próprio presidente, que é avaliado de forma positiva por 39% e de forma negativa pela maioria dos entrevistados, 55%.

A pesquisa confirma não só o apoio popular ao ministro, mas também a queda de popularidade do presidente. A atuação pessoal de Bolsonaro é desaprovada por 58,2% dos entrevistados e aprovada por 37,6%. O governo registrou sua pior avaliação desde fevereiro de 2019, com 43% dos entrevistados avaliando a gestão como ruim ou péssima. A gestão é vista c

O impeachment de Bolsonaro, no entanto, não é um consenso entre os entrevistados: 46,5% são a favor, 43,7% contra e 9,8% não souberam responder.

A pesquisa, online, foi realizada com 2 mil pessoas entre domingo e terça-feira. No domingo, Mandetta deu uma entrevista ao Fantástico, da TV Globo, cobrando do presidente unidade nas ações e nos discursos. A margem de erro é de dois pontos percentuais e o nível de confiança é de 95%.

Com a pandemia, 12,3% dos entrevistados afirmaram que perderam o emprego em meio à crise, 51,6% viram a renda mensal cair e 36,1% afirmaram que ainda não sentiram nenhum impacto sobre a renda.

Os entrevistados afirmaram ter mais medo de perder um amigo ou parente pela doença do que perder a própria vida. Segundo a pesquisa, 86,2% temem perder um amigo ou familiar e 13,8% disseram não ter esse medo. Perguntados se temem ser contaminados pelo novo coronavírus, 41,9% disseram ter medo de morrer e 31% de ficar doente, e 27,1% disseram que nã

No início de abril, pesquisa do instituto Datafolha já identificava que a aprovação do Ministério da Saúde havia disparado e que é o dobro da avaliação de Bolsonaro. A atuação do ministério é aprovada por 76% da população enquanto o presidente recebeu aprovação de 33%.

Fonte:Atlas Político,