Vereador aponta dívidas de R$ 15 milhões e não repasse da contribuição previdenciária dos servidores da Prefeitura de Tauá ao IPMT

O vereador Felipe Viana, PSD, denunciou em pronunciamento na sessão da Câmara Municipal de Tauá nesta segunda-feira, 19, que as dívidas deixadas pela gestão do ex-prefeito Carlos Windson, ultrapassam os 15 milhões de reais.

O parlamentar disse que esteve na Secretaria de Saúde e foi informado que somente a dívida da pasta está acima de 8 milhões. “Saquearam as contas da Secretaria de Saúde e deixaram o povo pedindo esmola”, afirmou, questionando o propósito de destruir a saúde de Tauá.

Apartes

A vereadora Fátima Veloso, PSD, aparteou o pronunciamento do vereador Felipe Viana e disse que segundo informações repassadas pela gestão Fred Rêgo, a Prefeitura de Tauá está devendo R$ 2,6 milhões de reais, ao Instituto de Previdência dos servidores municipais. Dra. Fátima afirmou que houve o desconto do salário do funcionalismo e a Prefeitura não fez o repasse para o IPMT. A vereadora disse que o Instituto encaminhou vários ofícios a gestão, cobrando a transferência dos recursos nos anos de 2017 e 2018, o que não aconteceu.

O vereador Chico Neto, MDB, disse que além de terem quebrado a Secretaria de Saúde, os fornecedores se negam a vendar produtos e materiais. “A secretaria está sem crédito na praça”, afirmou.

Dívidas

Retomando seu discurso, Felipe Viana declarou que tomou conhecimento de uma informação veiculada em redes sociais sobre um recurso supostamente deixado pela gestão do prefeito cassado, no valor de R$ 72 milhões.

O vereador esclareceu que desse recurso, em torno de 61 milhões, são do Fundeb(precatórios) que estão bloqueados e não podem ser utilizados em outras finalidades.

Ao fornecer informações sobre o volume de dívidas da Prefeitura de Tauá, Felipe Viana relacionou os seguintes valores:

R$ 8 milhões na Secretaria de Saúde

R$ 2,6 milhões no IPMT

R$ 1,5 milhão na Empresa Ecoservice(limpeza pública)

R$ 1,5 milhão no Posto de Combustível, além das dívidas na Secretaria de Educação e outros setores da gestão.

IPMT

Quando ao não repasse dos valores descontados dos salários dos servidores municipais para o Instituto de Previdência do Município pela Prefeitura, Felipe Viana pediu que fossem encaminhados ofícios ao Ministério Público e IPMT, solicitando informações, e orientou aos servidores que procurem saber como está essa situação para evitar que eles atinjam a idade para ser aposentar e o Instituto tenha dinheiro para pagar os benefícios.

Fonte Blog Wilrisma