Suspeito de manter família em cárcere privado passeava com filhos, dizem vizinhos

Empresário foi detido nesta sexta-feira (25) após denúncia de manter os seis filhos e a mulher em cárcere privado no apartamento.

s vizinhos do empresário que supostamente mantinha seis filhos e a mulher em cárcere privado afirmam já ter visto o homem passeando com a família durante as madrugadas na praça em frente onde mora. Há relatos também de que eles passeavam de bicicleta, durante o dia, no entorno da residência. O empresário foi detido na Rua Visconde de Mauá, no Bairro Dionísio Torres, e conduzido à delegacia na manhã desta sexta-feira (25), em Fortaleza, após uma denúncia anônima.

De acordo com os vizinhos, que prefiraram não se identificar, Massaharu Nogueira Adachi era visto frequentemente no bairro, mas não cumprimentava ou falava com outras pessoas. Quando foi conduzido ao interior de um veículo da polícia, ele preferiu não falar com a imprensa. O G1 conversou com cinco pessoas que vivem ou trabalham nas proximidades do prédio e todos comentam que o suspeito manifestava um comportamento “estranho”.

Conforme os relatos, o pai já foi visto andando de bicicleta com as filhas maiores, caminhando na praça de madrugada com os filhos, saindo em um caminhão que pertence à família, com todos eles, e também em uma ótica acompanhado dos filhos. Ainda de acordo com os vizinhos, as crianças também foram vistas, há alguns anos, indo a uma escola, com máscaras de proteção à poluição, e a uma padaria nas proximidades.

As pessoas dizem não ter ouvido sons suspeitos que denunciassem alguma situação de maus-tratos. No prédio, vivem o pai, um irmão do suspeito e dois funcionários do restaurante.

A família mora no segundo andar do prédio. Abaixo da janela do apartamento está instalada uma câmera de monitoramento. É a única na edificação. No prédio, há duas portas pequenas, um portão e não há campainha. Há informações de que o empresário e outras pessoas da família entravam no local por um dos portões pequenos, enquanto os outros moradores utilizavam o segundo portão.

onforme a Defensoria Pública, atualmente os filhos do suspeito não estão matriculados. O G1 procurou a escola onde as crianças foram matriculadas, mas foi informado de que as pessoas presentes não poderiam comentar sobre o assunto.

Ainda conforme a denúncia da Defensoria Pública, a família era privada de cuidados médicos. O filho mais novo do casal nasceu dentro da própria residência, com auxílio apenas do empresário preso.

Problemas psicológicos

Os filhos, quatro meninas e dois meninos, têm idades entre 4 e 19 anos. O caso foi denunciado após denúncia anônima por meio do Disque 100.
Segundo a Defensoria Pública do Ceará, as vítimas eram mantidas presas em um apartamento sem móveis e eram impedidas de ter contato com outras pessoas. Duas das crianças não possuem certidão de nascimento. Um inquérito policial foi aberto para investigar o caso.

A suspeita é de que a família é privada de liberdade há 19 anos, desde que o suspeito, descendente de japonês, passou a morar na capital cearense.

Segundo a defensora pública do Núcleo de Atendimento da Defensoria da Infância e da Juventude (Nadij), Ana Cristina Barreto, que acompanhou o caso, as crianças e adolescentes eram mantidas isoladas de amigos e familiares. De acordo com ela, o pai tem problemas psicológicos, com relatos de perseguição e alucinatórios.

O Nadij entrou com uma ação urgente de medida protetiva para acolhimento institucional das seis crianças.

Fonte: G1-ce