Sindicatos Perdem Milhões Depois da Reforma Trabalhista e Pode Aumentar o Prejuízo no Governo Bolsonaro.

Segundo os últimos levantamentos realizados por especialistas em relação às arrecadações dos sindicados após a reforma trabalhista feita no governo de Michel Temer do MDB, Os sindicatos vêm perdendo milhões em suas contas de arrecadação.

No ano passado, no acumulado até setembro, a arrecadação da contribuição sindical despencou 86% em relação ao mesmo período de 2017, passando de R$ 1,9 bilhão para R$ 276 milhões.

A contribuição sindical deixou de ser obrigatória na reforma trabalhista proposta pelo governo do ex-presidente Michel Temer e aprovada pelo Congresso em 2017. Desde então, os trabalhadores são obrigados a expressar a vontade de contribuir para seu sindicato.

E agora no governo Bolsonaro, os sindicatos estão tomando mais um duro golpe nas suas arrecadações. Pois as contribuições financeiras de trabalhadores para seus sindicatos não poderão mais ser descontadas diretamente dos salários e terão, a partir de agora, ser pagas exclusivamente por boleto bancário. Essa nova regra está prevista em uma medida provisória assinada pelo presidente Jair Bolsonaro e pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, publicada em edição extra do “Diário Oficial da União” da sexta-feira (1º).

Mais é bom lembra que essa medida, precisa ser aprovada pelo Congresso em até 120 dias, caso contrário perde validade e a regra antiga volta a vigorar.
A medida provisória pode dificultar o recolhimento das contribuições pelos sindicatos, que desde a reforma trabalhista perderam arrecadação.

A MP altera alguns artigos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), entre eles o 582. Antes da mudança, esse artigo estabelecia a obrigatoriedade de “os empregadores” descontarem a contribuição sindical “da folha de pagamento de seus empregados.”

E em um comentário feito em rede social, o secretário de Previdência e Trabalho do governo Bolsonaro, Rogério Marinho, afirmou que a medida provisória “deixa ainda mais claro que contribuição sindical é fruto de prévia, expressa e ‘individual’ autorização do trabalhador.”

Essa noticia traz ainda mais preocupação ,pois o futuro dos sindicatos no Brasil, a cada dia fica mais indefinida a sua sobrevivência coma as novas regras.

Mombacanews.com.