Presidente do São Bento critica negociação entre Ceará e Ricardo Bueno: “antiprofissional”

A saída de Ricardo Bueno do São Bento para acertar com o Ceará gerou polêmica e causou mal-estar entre os clubes. O presidente do São Bento, Rogério Dias, criticou a forma como o Alvinegro do Porangabuçu e o atacante conduziram a negociação e classificou a postura dos envolvidos como “antiprofissional”, em entrevista a rádio Cruzeiro FM (92.3), de Sorocaba.

Segundo o dirigente, o Ceará assediou o jogador na concentração, nas vésperas da partida do São Bento contra o Goiás, que o time do interior paulista acabou derrotado por 2 a 1. Ricardo Bueno não jogou o confronto diante do Esmeraldino.

+ Ceará encerra preparação para confronto contra o São Paulo em solo cearense
O presidente Rogério Dias explica que entende a saída do atleta para um clube de Série A e com uma proposta financeiramente melhor, mas não aceita a forma como ocorreu.

“O que me deixa p… bravo. Veja: jogador é profissional. A partir do momento que ele está em trânsito, no hotel, é funcionário do São Bento, está dedicado e comprometido em jogar futebol. A partir do momento que ele está relacionado para a partida, tem que pensar no jogo. Não tem que pensar em proposta. Quem tem que pensar em proposta é o empresário dele”, contou.

Para Rogério Dias, o atacante deveria ter analisado a proposta apenas depois de ter jogado na última terça contra o Goiás. “(Ele tem que pensar) depois do jogo, quando ele voltar, fora da concentração. Vejo dois erros na minha modéstia opinião. Falei isso pra ele e pro Ceará. Os dois agiram de forma antiprofissional, falta de ética. Primeiro por assediá-lo, o jogador em trânsito e à disposição do São Bento. Segundo erro foi ele aceitar o assédio e a proposta. A partir do momento que recebe, desfoca. É falta de respeito comigo, com os demais diretores, a instituição, o torcedor, os demais amigos do grupo. Eu não admito. Essa é uma afronta. Somos caipiras, mas não somos otários”, criticou.

O dirigente do clube esclareceu que o contrato de Ricardo Bueno tinha uma cláusula que previa a liberação do atleta para uma equipe da Série A ou do exterior mediante a pagamento de multa. Conforme Rogério Dias, o empresário do atacante não quis ouvir nem uma contraproposta e que o próprio jogador manifestou o desejo de não jogar a última partida.

O atacante rescindiu com o São Bento nessa quinta-feira, 23, após pagamento de multa contratual. “Ele pediu desculpa. Vida que segue, mas não deixei de falar o que estou falando aqui. Não foi profissional. Muita sacanagem com a instituição. Isso eu não admito. Bueno era meu homem de confiança, acreditava nele, não acreditava que iria fazer um negócio desse”, afirmou.

Por fim, o presidente do Azulão criticou o Ceará por ter entrado em contato diretamente com o jogador e o empresário, sem ter conversado antes com a diretoria do São Bento. Rogério Dias citou que quando tentou acertar com jogadores do Alvinegro, falou primeiro com o presidente Robinson de Castro e o gerente de Futebol Marcelo Segurado.

Ceará e Ricardo Bueno
O Esportes O POVO tentou entra em contato com o clube do Porangabuçu, mas até a publicação da matéria não obteve respostas. O atacante Ricardo Bueno disse que no momento não vai comentar sobre as declarações feitas pelo presidente do Azulão de Sorocaba.