Politica: Rodrigo Maia diz que seria bom para Paulo Guedes ‘perder’ alguns auxiliares

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse na manhã desta 5ª feira (13.ago.2020) que a saída de alguns de seus integrantes poderia ser bom para o Ministério da Economia . O deputado não citou nomes.

“Tem alguns aí que estão dizendo que vão sair, que eu não vou citar nomes, que eu acho que seria bom para o ministro da Economia perder ou ter a debandada de alguns que não estão ajudando muito”, declarou Rodrigo Maia.

Especula-se em Brasília que os secretários especiais Waldery Rodrigues (Fazenda) e Carlos da Costa (Produtividade, Emprego e Competitividade) poderiam sair. O ministério da Economia comunicou nesta 4ª feira (12.ago.2020) que eles permanecem nos cargos.

Nesta semana, 2 dos principais auxiliares do ministro Paulo Guedes pediram demissão. São eles: Salim Mattar (Desestatização, Desinvestimento e Mercados) e Paulo Uebel (Desburocratização, Gestão e Governo Digital). Até a publicação deste texto ambos ainda constavam como secretários no site do Ministério da Economia.

Eles deixam os cargos alegando descontentamento com a demora nas privatizações e no envio da reforma administrativa ao Congresso pelo governo. Guedes classificou suas saídas como “uma debandada“.

Rodrigo Maia elogiou Salim Mattar. “Foi uma perda. O Salim é 1 cara com 1 espírito público enorme. Eu entendo a frustração dele, de fato os tempos são distintos de quem vem da iniciativa privada e do poder público”, disse Maia.

A relação do presidente da Câmara com o ministro da Economia teve turbulências ao longo do governo. Nos últimos dias, porém, Maia e Guedes fizeram duas aparições públicas juntos.

Giro Esportivo Com Agnalton Feitosa Com o Melhor do esporte.
Giro Esportivo Com Agnalton Feitosa Com o Melhor do esporte.

Na 3ª feira (11.ago.2020) falaram à imprensa na porta da sede do ministério. No dia seguinte, houve pronunciamento no Palácio da Alvorada de Bolsonaro ao lado de Maia e Davi Alcolumbre (DEM-AP). Guedes não falou, mas estava lá.

As duas ocasiões foram defesas públicas da manutenção do teto de gastos. Há pressão para que o governo faça investimentos por fora desse dispositivo de contenção de despesas. Maia e Guedes são contra, e Bolsonaro declarou compartilhar dessa visão.

Fonte: Poder 360