POLITICA: Leiloados aeroportos no Governo Bolsonaro saíram com ágio de 1.000%.

Há um norte no trabalho dos ministros da área econômica da equipe de Jair Bolsonaro: a possibilidade de o Brasil expandir sua infraestrutura com apoio do capital externo abundante que há no mundo à procura de bons negócios. Com uma carteira de projetos importantes nas áreas de óleo e gás, energia e infraestrutura de transportes, o país chama a atenção do mercado internacional.

Como já mostrou esta série de reportagens Como o Brasil se Move, o que os investidores pedem é mais projetos . Negócios bem estruturados podem atrair recursos de fora, mesmo num momento em que o futuro das contas públicas brasileiras ainda está por ser definido.

Prova desse interesse ocorreu em março passado, quando o leilão de concessão de 12 aeroportos atraiu o interesse de grupos nacionais e 7 operadoras estrangeiras: as alemãs Fraport e AviAlliance, as francesas ADP e Vinci, a espanhola Aena, a suíça Zurich e a chilena Agunsa.

O bloco mais disputado foi o Nordeste (Recife, Maceió, João Pessoa, Aracaju, Juazeiro do Norte e Campina Grande). Uma concorrência acirrada entre Zurich e o consórcio Nordeste, formado por AviAlliance e o fundo Patria fez com que o preço inicial, R$ 173 milhões, crescesse quase 11 vezes. No fim, quem levou o bloco não foi nenhuma das duas, e sim a espanhola Aena, com um lance de R$ 1,9 bilhão, 1.010,69% acima do mínimo.

“É uma aposta definitiva no Brasil”, disse Santiago Yus, o executivo da Aena que ficará a cargo dos aeroportos nordestinos quando o contrato for assinado, provavelmente em setembro de 2019.

Foi a maior operação de desenvolvimento internacional do grupo, segundo informou em comunicado. Com o negócio, a Aena diz ter consolidado sua liderança internacional em operação de aeroportos. O grupo opera 17 aeroportos fora da Espanha: México, Colômbia, Jamaica e Reino Unido.

Passará a ter 6 terminais no Brasil, entre eles destinos turísticos internacionais como Recife e Maceió. A empresa pretende participar das novas rodadas de concessões de aeroportos. Há duas no calendário. Na segunda, estarão Congonhas (SP) e Santos Dumont (RJ).

NOS PÊNALTIS
O leilão ganhou ares de Copa do Mundo, disse o secretário de Aviação Civil, Ronei Glanzmann. Foram duas etapas. Na primeira, as empresas apresentaram propostas por escrito. Na segunda, fizeram lances a viva voz.

Aena saiu à frente nas propostas escritas, com R$ 1,850 bilhão. Mas, na etapa de viva voz, começou uma corrida entre Zurich e Nordeste pelo segundo lugar. Foram 18 lances em que uma superou a outra sucessivamente, até que Nordeste desistiu.

Zurich, então, tentou desbancar a primeira colocada, que até então estava só assistindo à disputa. Ofereceu R$ 1,851 bilhão, sob gritos e aplausos de quem acompanhava o pregão na B3. Um minuto depois, a Aena ofereceu R$ 1,9 bilhão e ficou com o lote.

No bloco Centro-oeste, leiloado no mesmo pregão, o ágio chegou a 4.739%. No Sudeste, a 547%.

comercial valeria preço baixo todo dia.

VALIA ISSO TUDO?
“Os 12 aeroportos nem eram ativos tão bons”, disse Pedro Kassab, diretor de fusões e aquisições (M&A, na sigla do inglês merges and acquisitions) do banco Fator. “Mas, com o ambiente externo com liquidez e juros baixos, o investidor busca alternativas.”

“Achei os lances agressivos, mas faz sentido”, afirmou a advogada Letícia Queiroz, do escritório Queiroz Maluf, especialista em concessões. Ela acha que, apesar da forte disputa, as empresas agiram com responsabilidade. Muito possivelmente, disse, os operadores viram espaço para economizar em obras e na operação dos aeroportos, o que possibilitou ofertas melhores.

“Não teria sido tão disputado se o governo não tivesse anunciado as outras duas rodadas”, afirmou Diogo Mac Cord, secretário de Desenvolvimento da Infraestrutura do Ministério da Economia. Sabendo que haverá mais leilões, e com ativos importantes na lista, as operadoras buscaram se posicionar no Brasil.

As concessões programadas à frente influenciaram o leilão de março, concorda Eduardo Camargo, presidente da CCR Aeroportos. E também o fato de não haver mais, na Europa, ativos importantes como os que estão para ser leiloados aqui.

O ágio de 1.000% não é nenhum exagero, afirmou Glanzman. Ele foi alcançado em uma parcela do negócio, a outorga fixa. Mas, considerando o negócio como um todo (somando as outorgas fixa e variável e os investimentos), os 12 aeroportos são negócios estimados em R$ 6 bilhões. Com a disputa, saíram por R$ 8,2 bilhões, um valor 37% maior.

Kariri da Sorte seu Titulo de Capitalização que lhe dar mais prêmios

HÁ RISCOS
“Fomos até o limite do que fazia sentido em termos de retorno de capital”, disse Camargo. O grupo CCR participou do leilão, mas não foi para a disputa a viva voz.

O executivo acha que o fluxo de passageiros pode ser afetado de forma negativa, a depender do andamento das reformas da Previdência e tributária. “O Brasil pode ser um ou outro”, disse, referindo-se ao fato de a aprovação elevar as chances de crescimento e, por consequência, do número de viajantes no país. Mas concessões no Brasil têm um histórico de frustração de demanda, acrescentou.

Ele se refere a concessões de aeroportos e rodovias feitas no governo de Dilma Rousseff, que ficaram financeiramente desequilibradas com a chegada da recessão econômica. Os contratos tinham como pressuposto um cenário muito mais otimista.

MELHOROU
Não é todo empreendimento em infraestrutura oferecido pelo governo federal que atrai a atenção dos estrangeiros. Na concessão da ferrovia Norte-Sul, leiloada em 28 de março de 2019, por exemplo, só participaram dois grupos nacionais: VLI e Rumo.

As concessões de aeroportos brasileiros, porém, têm uma boa reputação no mercado internacional. Foi conquistada à base de aperfeiçoamentos a cada rodada.

No momento, o governo está em diálogo com advogados, gestores de fundos de investimento e operadores. Quer saber o que pode ser melhorado para a 6ª rodada, prevista para setembro de 2020.

Glanzmann aponta 3 fatores que agradaram aos operadores na rodada que passou:

outorga – parte dos pagamentos devidos ao governo que será recolhida ao longo da concessão variará conforme o movimento. Será uma parcela da receita bruta. Nos contratos mais antigos, esses pagamentos têm valor fixo em real, o que foi um problema quando veio a recessão;
investimento – o contrato não diz mais que obras devem ser feitas em 1 determinado prazo. A concessionária é que decide o que fazer, desde que atinja o nível de satisfação do usuário prometido ao governo.
concorrência livre – uma mesma empresa pode disputar os três blocos.

Central FM 102,9 de Mombaça no Ceará para o Mundo.

MAIS COMPANHIAS
A concessão de aeroportos faz parte de uma política mais ampla que busca aumentar a oferta de serviços de transporte aéreo no Brasil. Ao leiloar num mesmo “combo” aeroportos grandes e pequenos, o governo buscou assegurar investimentos e bom nível de serviços para os menores. Com isso, acredita que as companhias aéreas se interessarão em voar para aqueles destinos.

Nessa mesma estratégia está a lei que permite a presença de até 100% de capital estrangeiro em companhias aéreas brasileiras. A espanhola Globalia, dona da AirEuropa, foi a primeira empresa autorizada a operar nesses moldes.

A Air Europa é uma companhia de baixo custo, ou low cost. O governo quer atrair outras companhias com esse perfil para operar no mercado doméstico brasileiro. A intenção é elevar a concorrência, o que pode ter como resultado preços mais baixos e melhor qualidade de serviço.

Estreantes no mercado brasileiro têm preferência na redistribuição de rotas. É o que deve ocorrer, por exemplo, após a saída da Avianca.

É a concorrência que levará as aéreas a buscar novas rotas no mercado brasileiro, defendeu o ministro Tarcísio Gomes de Freitas (Infraestrutura). Há pressões no Congresso Nacional para a criação de uma política que incentive os voos em rotas menos disputadas, como no Norte do país.

Fonte: Poder 360