Polícia apresenta balanço da ação que prendeu duas pessoas acusadas de participarem da fuga de presos em Milhã

Uma ação conjunta realizada pelas Polícias Civil e Militar resultou, na tarde dessa terça-feira (12), na captura de dois suspeitos de envolvimento no resgate de presos da Cadeia Pública de Milhã. As prisões ocorreram no mesmo dia do resgate dos capturados. Na ocasião da fuga dos presos, um policial militar foi atingido por um disparo e veio a óbito. A ação policial contou com o apoio do Departamento de Polícia do Interior Sul. O resultado foi apresentado, na tarde de hoje (14), em coletiva de imprensa, realizada na Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social.

Os capturados tratam-se de Carlos Odeon Bandeira, 34 anos, vulgo “Jow” – que possui diversas passagens pela Polícia, sendo duas por homicídio, duas por falsificação de documentos, duas por promoção ou facilitação de fuga de preso, uma por posse ilegal de arma de fogo, uma por porte ilegal de arma de fogo, além de uma passagem por porte ilegal de arma de fogo de uso restrito. Carlos Odeon ainda responde criminalmente a um procedimento por tráfico de drogas e a três por associação para o tráfico de drogas. E duas passagens por financiar o tráfico de drogas. O outro capturado trata-se de Givanildo da Silva, 45 anos, vulgo “Branco” – que possuía passagem pela Polícia por crime ambiental.

“Toda situação começou na última sexta-feira, quando a Polícia Civil desencadeou uma operação na cidade de Milhã, em cumprimentos de mandados de prisão, de busca”, disse o secretário da Segurança, André Costa. O secretário destaca ainda, que, na ocasião, “algumas pessoas foram recolhidas à Cadeia Pública e durante a semana, agora, houve um resgate parcial lá”, relata André Costa.

As diligências, que resultaram na captura dos dois homens citados anteriormente, foram possíveis graças ao documento de um carro encontrado na casa onde estava o casal Adriana e Damião – hoje, o casal se encontra foragido.

No dia da operação “Ilha de Guantánamo”, realizada na última sexta-feira (08), foi localizado, na residência do casal, um documento de uma Hilux de placas PMT 5999. A partir daí, a Polícia Civil de Senador Pompeu passou a monitorar o veículo. Foi observado que na segunda-feira (11), o carro citado foi de Fortaleza a Milhã e teria passado a noite lá. No dia do resgate dos presos, a Hilux retornou a Fortaleza. Já na Capital, o carro foi interceptado por policiais militares do Batalhão de Rondas de Ações Intensivas e Ostensivas (BPRaio), por volta das 13 horas. Em posse de Carlos Odeon, foram encontrados documentos falsificados.

As capturas dos foragidos

“Há alguns meses, nós do Departamento de Polícia do Interior e a Delegacia Regional de Senador Pompeu, passamos a monitorar essa quadrilha, que se instalou na região do Sertão Central. Usando Milhã como um ponto de abastecimento de drogas”, destaca o delegado Ricardo Pinheiro, Diretor do DPI – Sul.

Dois dos quatro capturados, na sexta-feira passada (08), na operação intitulada “Ilha de Guantánamo”, foram resgatados da Cadeia Pública de Milhã, na última terça-feira (12). Na ocasião, foram presos três homens e uma mulher. Dois dos capturados, o casal citado anteriormente, haviam fornecido nomes falsos, no momento da prisão. Eles foram capturados com mais de três quilos de cocaína pura em sua residência. Na operação, foram apreendidos documentos, cartões de crédito, notebooks, além de armas de fogo e de drogas.

O delegado titular da Delegacia Regional de Senador Pompeu ressalta que já foram identificados dois líderes na quadrilha. “A gente identificou duas lideranças, o Carlos Odeon e o Damião, que inclusive é muito conhecido na região do Cariri”, diz o titular.

 

O resgate dos presos

Na última terça-feira (12), por volta das 8 horas, um grupo armado invadiu a Cadeia Pública de Milhã a fim de resgatar presos. Na ocasião, foram resgatados Damião e Adriana, além de João Eduardo Viana dos Santos, 18 anos. A partir daí, foram realizadas diligências a fim de capturar os fugitivos. No mesmo dia da fuga, João morreu, em confronto com a Polícia, no Sítio Cipó, em Milhã. Um carro Palio de placas JGU 6633 foi abandonado durante a fuga dos presos.

No momento da fuga dos presos, a Polícia Militar se aproximava e foi recebida a tiros. Durante a troca de tiros, o sargento Izaías dos Santos Lima, 41 anos, foi atingido na cabeça. O militar não resistiu e veio a óbito. “De pronto, além dos cuidados que nós tivemos para tentar salvar a vida do policial, claro, também nos empenhamos em identificar e prender as pessoas responsáveis por essa ação criminosa”, afirma o Secretário da Segurança.

Antonio Jardel Ribeiro de Aquino, 31 anos, foi morto, ontem (13), em novo confronto com a Polícia. O fato ocorreu no Sítio Amanaju, em Milhã. No momento do fato, Jardel tinha em sua posse um revólver calibre 38. Jardel é apontado como um dos participantes do resgate dos três presos na Cadeia Pública de Milhã. No dia da operação “Ilha de Guantánamo”, foram encontrados drogas e uma pistola na casa de Jardel.

O casal foragido

O casal foragido trata-se de Adriana de Oliveira Cavalcante, 46 anos, que não possuía passagem pela Polícia, e Damião Erico Cavalcante Nicolau, 31 anos, que possui passagens pela Polícia por uma série de crimes. Damião responde a um procedimento por porte ilegal de arma de fogo; possui, ainda, três passagens por homicídio; sete por roubo; uma por posse ilegal de arma de fogo; uma por porte ilegal de arma de fogo de uso restrito; além de responder criminalmente por um tráfico de drogas e por associação para o tráfico de drogas.

Investigações

As investigações em relação à morte do policial militar estão a cargo da 11ª delegacia da Divisão de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP), unidade designada para apurar crimes contra profissionais de segurança do Estado. Diligências estão em andamento no intuito de apurar as circunstâncias do crime, bem como de identificar e prender os criminosos.

Denúncias

A Polícia reforça que a população pode contribuir com as investigações – que prosseguem, para que sejam capturados os envolvidos, repassando informações. As denúncias podem ser feitas pelo número (88) 9.9412.4470, que é o Whatsapp da Delegacia Regional de Senador Pompeu, ou pelo Disque Denúncia da SSPDS, no 181. A polícia afirma que o sigilo é garantido.

Fonte: Monolitospost