Parambu vacina 3.549 homens contra a meningite

Após ser determinado o surto comunitário de meningite, população de Parambu, no Sertão dos Inhamuns, recebe primeira etapa de vacinação. Entre os dias 13 e 25 de maio, a Cidade registrou cinco casos da doença, com dois óbitos. Depois de visita do secretário da Saúde, Henrique Javi, na última segunda-feira, 5, ao Município, ontem 3.549 homens entre 20 e 49 foram vacinados — de um total de 4 mil vacinas disponibilizadas. Outras 23 mil vacinas foram pleiteadas pelo governador Camilo Santana (PT) junto ao Ministério da Saúde.

A faixa etária e o sexo do público-alvo foi determinado, conforme a secretária da Saúde de Parambu, Enilzete Noronha, devido ao perfil das vítimas. “O último caso novamente foi um homem, com 48 anos. Ele, assim como o rapaz de 24 anos que foi o segundo a morrer, também não tinha conexões com os demais casos”, informa. O homem, de acordo com a Secretaria Estadual da Saúde (Sesa), está no Hospital São José em estado estável. Os dois pacientes que também foram atendidos no hospital de referência já receberam alta e voltaram a Parambu.

As 4 mil vacinas, no entanto, segundo Enilzete, não cobrem a população-alvo. “Fica, com certeza, gente sem vacinar, porque o Estado utilizou o IBGE de 2010 (o mais recente, que aponta uma população de 31.309 habitantes) como parâmetro, e pelo quantitativo nós temos mais homens nessa faixa etária do que 4 mil”.

As 23 mil vacinas devem chegar até a próxima semana à Cidade e, então, mulheres e homens entre 5 e 49 anos devem ser vacinados. “Conseguiremos vacinar a faixa etária completa, já que já tivemos a vacinação anterior de adolescente de 12 anos e de crianças menores de 1 ano”, afirma a secretária.

Pânico

Como publicado em matéria no último dia 26 de maio, o surto causou pânico nos moradores de Parambu, provocando o fechamento de repartições públicas e o esvaziamento de salas de aula. Segunda-feira, moradores organizaram uma manifestação reivindicando a vacina. E a notícia de que a vacinação aconteceria, de acordo com a secretária, acalmou os ânimos. “Aos poucos, está voltando ao normal o funcionamento da Cidade. Me surpreendeu também a aceitação da vacina logo no primeiro dia”, comentou.

No primeiro momento, Sesa e Município divergiram quanto à caracterização do surto, e o Estado, mesmo orientando o bloqueio e o uso de antibiótico em quem teve contato próximo e continuado com as vítimas, descartou a vacinação. Na última nota, a Sesa afirmou, contudo, que a situação configura um aumento inesperado da doença, já que há pelo menos sete anos não havia registro de meningite no Município.

Fonte; O povo.