No Ceará, jogo acaba mais cedo em “comum acordo” após 10 a 0 e causa polêmica:

Na Série C do Campeonato Cearense, o jogo entre Crato e União terminou de forma inusitada. Com o placar de 10 a 0, o capitão da equipe mandante, em comum acordo com o do time adversário, dirigiu-se ao árbitro e pediu o fim da partida. O jogo, no Estádio Geraldão, em Brejo Santo, foi válido pela 5ª rodada do Grupo A2.

O árbitro Renato Pinheiro, da Federação Cearense de Futebol (FCF), teria acatado o pedido e, assim, finalizou o jogo aos 40 minutos do 2º tempo. O feito foi registrado em súmula.

Com apenas 11 jogadores relacionados e atuando, o Crato não tinha banco de reservas. Aos 35 da etapa final, a equipe caririense já perdia por 10 a 0.

Com um expulso, outro contundido e com grande desvantagem no placar, o zagueiro Neném teria pedido para encerrar a partida, segundo a súmula disponível no site da FCF.

Ainda de acordo com o documento, a decisão partiu do capitão da equipe do Crato, Neném, no caso. Procurado pela reportagem, o zagueiro disse que não ficou com a braçadeira, e sim, Gabriel (que usa o nome de jogador Borel), embora o jogador tenha sido expulso aos 25 do 2º tempo. A súmula da partida relata, inclusive, que Neném (Antônio Carlos S. Clementino) recebeu a braçadeira do expulso “Borel”. Pois bem, o então capitão, junto a Anderson Cícero, capitão do União, teria se dirigido ao árbitro Renato Pinheiro para fazer o pedido. A justificativa era de que a equipe já estava perdendo por 10 a 0.

Paulo Silvio esclarece ainda que o documento, já publicado no site oficial da Federação Cearense de Futebol, pode ser alterado caso haja necessidade. Se o “acordo” se confirmar, clube e arbitragem podem sofrer punição, completa.

Mombacanews