‘Nem a pau, Juvenal’, diz Ciro sobre possível apoio a Haddad no 2º turno

O candidato do PDT à Presidência da República, Ciro Gomes, fez duras críticas ao PT. Ao ser questionado pelo se apoiaria Fernando Haddad (PT) no 2º turno respondeu que “nem a pau, Juvenal”.

“Eu ser vice dele [Fernando Haddad]? Em nenhuma circunstância… O Haddad aceitou desenvolver 1 papel que eu considero que o diminui profundamente. Esse papel foi oferecido a mim, esse é 1 fato real. O Lula –via Dilma Rousseff, via Roberto Requião, via Gleisi Hoffmann– me cercou por todos os lados para eu aceitar ser o vice dele de araque”, disse.

As declarações foram dadas em sabatina realizada pelo portal G1 e pela rádio CBN na manhã desta 3ª feira (19.set.2018).

O tom é bem distinto do adotado por Fernando Haddad, que já disse que apoiaria Ciro caso o pedetista fosse para a 2ª etapa do pleito.

O comentário de Ciro veio após uma pergunta do jornalista Gerson Camarotti: “O Haddad ontem esteve aqui na entrevista e lembrou que vocês são próximos. Eu cheguei a questioná-lo sobre sua colocação de que o Brasil não aguenta outra Dilma Rousseff e ele disse que o Ciro, tenho certeza, vai me apoiar, porque a gente pensa no mesmo campo. O senhor pensa isso?”

A isso, Ciro respondeu: “Nem a pau, Juvenal. Eu não cedo a instituto de pesquisa a minha responsabilidade com o meu país”.

O jornalista lembrou então que Haddad já afirmou que o apoiaria e então Ciro disse: “eu aceitaria com muita honra. Porém ele está se precipitando como 1 sinal de inexperiência e/ ou de arrogância”.

Ciro afirmou ser diferente do candidato petista por sua história de vida e sua política de êxito.

O candidato do PDT manteve o discurso de críticas ao Partido dos Trabalhadores. Pediu para não ser comparado com a ex-presidente Dilma Rousseff, porque isso o ofende, e voltou a afirmar que o Brasil não suporta mais 1 presidente fraco que tenha que consultar o seu mentor sempre que aparece alguma crise.

Quanto à pesquisa Ibope divulgado na 3ª feira (18.set), Ciro creditou os resultados à vontade que os brasileiros têm de mudar o cenário político. “O que estas pesquisas revelam é que o eleitorado brasileiro está em revolução”, disse.

Além disso, pediu que os eleitores não transformem a revolta em ódio e que votem no 1º turno em quem quiserem, sem pensar no que indicam as pesquisas.

o trecho final –de perguntas e respostas rápidas– da entrevista:

Entrevistador: Vai limitar a entrada de venezuelanos no país?
Ciro: Não.

É a favor do financiamento público de campanha?
Não.

É a favor da prisão em 2ª Instância?
Desde de que mude a Constituição.

Vai diminuir número de ministérios?
Vou.

É a favor do foro privilegiado para políticos?
Sou contra desde sempre.

É a favor da taxação de empresas?
Não.

É a favor do intervenção militar na segurança dos Estados como no Rio?
Claro que não.

É a favor da legalização do aborto em qualquer situação?
Não quero responder.

Fonte: PODER360