Guerra judicial em quatro municípios pode alterar resultado da eleição no Ceará

Vitoriosos na disputa por uma das 46 vagas da Assembleia Legislativa, deputados estaduais eleitos pelo Ceará travam agora embate em outra esfera: o Judiciário. Eleitos com base em municípios do Interior, pelo menos quatro parlamentares têm hoje a conquista questionada por adversários nos redutos, em ações que podem mudar resultado das eleições no Estado.

São alvo de ações no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-CE) as candidaturas de Audic Mota (PSB), Érika Amorim (PSD), Marcos Sobreira (PDT) e Romeu Aldigueri (PDT). Entre processos por supostas transgressões eleitorais ou por abuso de poder político e econômico, eles são acusados de usarem estrutura de prefeituras do Interior para “aditivar” as campanhas.

A informação tem base em levantamento do O POVO Dados no sistema de processos da Justiça Eleitoral no Ceará.

Caso sejam deferidas as ações, candidatos podem ter a votação anulada e a composição da Assembleia, redistribuída. Em 2009, o então deputado estadual Perboyre Diógenes chegou a ser cassado pelo mesmo tipo de acusação, mas se manteve no cargo com recursos. Todos os quatro acusados na campanha deste ano rejeitam as denúncias e se defendem junto ao TRE-CE.

Em quase todos os casos, a disputa judicial repete antigas rivalidades nos municípios. Em Granja, por exemplo, Romeu Aldigueri é acusado pelo deputado estadual Sérgio Aguiar (PDT) de ter se beneficiado da inauguração de uma quadra poliesportiva pela gestão da prefeita Amanda Aldigueri (PDT), sobrinha do deputado eleito, ainda no período pré-eleitoral.

Fonte o pOVO