Governo tem 1ª derrota na CCJ: deputados aprovam atraso nos debates

Fotos de Votação no Congresso.
Giro Esportivo "O Melhor Programa de Esporte do Radio"
Giro Esportivo “O Melhor Programa de Esporte do Radio”

O governo não conseguiu maioria na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara para acelerar a ordem dos trabalhos no colegiado para que os projetos fossem logo votados. Centrão e oposição se uniram para impor a 1ª derrota do dia ao governo pedindo a leitura da ata da reunião anterior e a votação de requerimentos, uma estratégia para que os debates da comissão sejam atrasados.

Foram 41 votos contra o requerimento do governo que daria celeridade à sessão e 18 votos favoráveis.

A escolhida pelo presidente da CCJ, Felipe Francischini (PSL-PR), para ler a ata da reunião anterior foi a deputada Maria do Rosário (PT-RS), que lê o documento sem pressa.

Seis partidos acompanharam o PSL 6 (PSDB, DEM, Solidariedade, Podemos, PSC e Novo) na tentativa de derrubar a medida que atrasaria o debate. A favor da leitura da ata se uniram os líderes da maioria e a minoria, além de 14 partidos (PT, Psol, PSB, PC do B, PDT, PPS, PP, PR, PSD, MDB, PRB, PTB, Pros e Avante).

Esta é a 1ª derrota do governo na sessão desta 2ª, mas os deputados do Centrão também pretendem aprovar a inversão da ordem de votações para que a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) do Orçamento impositivo seja votada antes da reforma da Previdência.

Kariri da Sorte ,Fazendo muita gente feliz.
Kariri da Sorte ,Fazendo muita gente feliz.

Antes da sessão, os deputados reuniram-se para tentar 1 acordo entre governo, oposição e Centrão. Mesmo com 1h de atraso, a sessão começou sem acordo entre nenhuma das partes.

O adiamento na deliberação da Previdência é fruto de uma articulação dos partidos do Centrão, que tenta adiar os debates. O líder do PP na Câmara, Arthur Lira (AL), afirmou que não faz diferença a votação da Previdência nesta ou na próxima semana, em entrevista à CBN.

A CCJ analisa se a reforma da Previdência enviada ao Congresso pelo governo de Jair Bolsonaro (PSL) fere ou não a Constituição. Eles votarão o parecer do deputado Delegado Marcelo Freitas (PSL-MG), que apresentou parecer pela admissibilidade total da proposta

Fonte: Portal 360