Em 1ª participação em debate, Haddad é alvo de adversários na TV Aparecida

O candidato a presidente do PT, Fernando Haddad, participou pela 1ª vez de 1 debate presidencial nesta 5ª feira (19.set.2018). Ele travou embates com os concorrentes ao Planalto Henrique Meirelles (MDB), Alvaro Dias (Pode), Geraldo Alckmin (PSDB) e Ciro Gomes (PDT).

A conversa entre os candidatos foi organizada pela CNBB (Conferência Nacional dos Bispos) e transmitida pela emissora TV Aparecida.

Participaram os candidatos Fernado Haddad (PT) Ciro Gomes (PDT), Marina Silva (Rede), Geraldo Alckmin (PSDB), Guilherme Boulos (Psol), Henrique Meirelles (MDB) e Alvaro Dias (Pode).

 

Eis algumas propostas apresentadas por cada candidatos no debate:

Alvaro Dias: defendeu a institucionalização da Lava Jato e a refundação da República: “O Brasil não pode ser mais governado por organizações criminosas. Nos últimos anos o Brasil foi assaltado”;

Ciro Gomes: disse que vai modernizar o sistema de distribuição de remédios e criar 1 novo projeto industrial de produção de medicamentos;

Fernando Haddad: “Fortalecer instituições sem preferência partidária. Vamos individualizar e punir aqueles que cometerem ilícitos. Uma Controladoria [Geral da União, Ministério Público e uma Justiça forte. Foi isso que procuramos fazer nos anos que governamos o país”;

Henrique Meirelles: disse que “a violência se combate com a inteligência“. Ele defendeu a contratação de novos policiais, investimento em equipamentos para a polícia e a criação de 1 sistema nacional e informações;

Geraldo Alckmin: “Defendemos uma reforma política, melhorar as instituições de controle. A Lava Jato vai ser uma marca, ela precisa ser fortalecida. O enriquecimento ilícito deve ser tipificado como crime no código penal. Políticos que não provarem a origem do patrimônio terão confisco dos bens”;
Guilherme Boulos: “Vamos acabar com qualquer tipo de financiamento privado de campanha eleitoral, trazer o povo para participar do centro das decisões. Não dá pra entender que governabilidade é apenas uma reunião entre o presidente e o Congresso”;

Marina Silva: “Vamos combater a violência e descriminação contra as mulheres. Vamos punir o feminicídio, combater qualquer forma de discriminação, oferecer vagas em creches para que elas possam deixar seus filhos. Criar uma rede de proteção”.