Eleição 2018: PSB e PP entram no radar de Capitão Wagner e Roberto Pessoa

A oposição ao grupo do ex-governador Cid Gomes (PDT) não está paralisada após o PR, agora sob o comando da deputada federal Gorete Pereira, passar a integrar a base de apoio político do Governador Camilo Santana. As lideranças do PSD, SD e PSDB acompanham de perto as negociações que o Capitão Wagner e o vice-prefeito de Maracanaú, Roberto Pessoa, estão fazendo para buscar um novo rumo partidário: uma das opções é o DEM, como antecipou, na última sexta-feira, 23, este site, mas outras duas siglas entram no radar dos oposicionistas: o PSB e o PP.

Wagner e Roberto conversaram há um bom tempo com integrantes da cúpula nacional do PSB e PP, mas, nos últimos dias, os contatos se intensificaram. Com os socialistas, o passo mais amplo foi dado durante a passagem do ex-prefeito de São Paulo e ministro das Comunicações, Gilberto Kassab, por Fortaleza. Kassab esteve na segunda-feira da semana passada na Capital cearense para lançar o Programa Internet Para Todos e, à noite, em encontro com lideranças políticas da oposição, a discussão sobre o fortalecimento da oposição no Ceará entrou no cardápio. Na sobremesa, a saída de Wagner e Roberto Pessoa do PR.

Vinte e quatro horas após o encontro com Kassab, Roberto Pessoa se reuniu, em Brasília, com membros da Executiva Nacional do PR e saiu desapontado com o resultado do encontro. A um interlocutor, por telefone, de Brasília, Pessoa antecipou que a reunião tinha sido ruim. Naquele momento, Pessoa recebera a informação sobre o novo destino do PR: a sigla ficaria sob a direção da deputada federal Gorete Pereira.

O PSB e o PP são aliados do Governador Camilo Santana. O PSB é dirigido pelo deputado federal Odorico Monteiro que, no ano passado, ganhou o comando regional da sigla na disputa interna com o deputado federal Danilo Forte. Sem espaços no PSB, Danilo migrou para o DEM. Odorico levou o PSB para as administrações estadual e municipal de Fortaleza e assumiu apoio a candidatura à reeleição de Camilo Santana e, no Ceará, é eleitor do pré-candidato do PDT à Presidência da República, Ciro Gomes.

A construção de uma aliança do PSB com o PSDB em alguns estados, como em São Paulo, e com partidos que hoje fazem oposição no Ceará abriu as portas para a agremiação redefinir caminhos na sucessão do Governador Camilo Santana. Um dos canais para essa redefinição de rumos é o atual vice-governador de São Paulo, Márcio França, que, no mês de abril, assume o Governo Estadual com a desincompatilização de Geraldo Alckmin. Alckmin é pré-candidato do PSDB à Presidência da República e poderá apoiar a candidatura de França ao Governo de São Paulo. Nessa aliança, entraria o PSD que tende a indicar, para vice de França, o atual Ministro Gilberto Kassab.

PP x Justiça

O Partido Progressista, que hoje é dirigido pelo ex-prefeito de Massapê, Antônio José, filho do presidente da Assembleia Legislativa, José Albuquerque (PDT), é outra opção de abrigo para o Capitão Wagner e para o vice-prefeito de Maracanaú, Roberto Pessoa. A saída de Wagner e Roberto Pessoa, assim como da deputada estadual Fernanda Pessoa, do PR é questão de dias.

O conflito interno pelo comando regional do Partido Progressista envolvendo o deputado federal Adail Carneiro e o grupo de José Albuquerque abriu a brecha para Wagner e Roberto chegarem aos dirigentes nacionais da sigla. A disputa pelo comando regional do PP está na Justiça. As informações colhidas pela reportagem do Ceara Agora revelam que há, sim, interesse da Executiva Nacional do PP em receber as filiações de Wagner, que é pré-candidato ao Governo do Estado, de Roberto Pessoa no Ceará.