Banco do Nordeste obtém lucro líquido de R$ 1,73 bilhão

O Banco do Nordeste obteve, em 2019, lucro líquido de R$ 1,73 bilhão, correspondente a crescimento de 135,6% em relação ao mesmo período do ano anterior e evolução de 93,3% no resultado operacional, alcançando R$ 2,44 bilhões. Foram 5,3 milhões de operações de crédito, que cresceram 6,5% em comparação com 2018, no valor global de R$ 42,16 bilhões investidos na economia regional.

Os investimentos do Banco beneficiaram empreendimentos localizados nos 1.990 municípios da área de atuação da empresa, os nove estados da Região e o Norte de Minas Gerais e do Espírito Santo, contemplando todos os setores segmentos.

Do volume de recursos aplicados, R$ 29,56 bilhões são oriundos do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE), somando 565 mil operações, sendo que R$ 23,67 bilhões destinaram-se a municípios de baixa e média rendas, considerados regiões prioritárias. O FNE é o principal funding do BNB.

Com recursos do FNE, foram aplicados R$ 18,25 bilhões nos setores Rural, Industrial, Agroindustrial, de Turismo e de Comércio e Serviços, enquanto a Infraestrutura somou R$ 11,22 bilhões contratados.

Conforme ressalta o presidente do Banco do Nordeste, Romildo Carneiro Rolim, os números refletem, antes de tudo, o compromisso da instituição em implementar políticas e programas do Governo Federal voltados para o desenvolvimento e o empreendedorismo regional do Nordeste.

“É isso que impacta diretamente na vida das pessoas, na medida em que o crédito fortalece as empresas, cria empregos e gera renda”, afirma Rolim, ao informar que, para 2020, a aplicação de recursos constitucionais já está prevista em R$ 29,30 bilhões.

Microcrédito e MPE

No segmento de microfinanças, o BNB manteve, em 2019, a liderança no país, aplicando, no total, R$ 13,11 bilhões. Somente no Crediamigo, maior programa de microcrédito produtivo e orientado da América do Sul, voltado para micro empreendedores urbanos, foram R$ 10,60 bilhões relativos a 4,5 milhões de operações, com tíquete médio de R$ 2,2 mil. O crescimento das contratações do programa chegou a 18% em comparação a 2018.

Já no Agroamigo, destinado a agricultores familiares, as aplicações somaram R$ 2,51 bilhões distribuídos em 495 mil contratações, destacando-se que, do valor contratado, 48% beneficiaram especificamente o público feminino.

Os financiamentos às micro e pequenas empresas totalizaram, em 2019, R$ 3,63 bilhões correspondentes a 43,6 mil operações, apresentando crescimento de 24,8%. O setor de Comércio, considerando apenas os recursos do FNE contratados no segmento, assumiu a liderança, com aplicações totais de R$ 1,90 bilhão (55,1%).

Semiárido

Como região estratégica priorizada na programação do Fundo Constitucional, o Semiárido teve empreendimentos financiados no valor de R$ 16,67 bilhões. Somente em projetos de infraestrutura, sobretudo no segmento de energias renováveis, foram R$ 9,20 bilhões.

O segmento de MPE, com recursos do FNE, registrou 16 mil operações no Semiárido, o que representa 55,5% das operações efetivadas.

Considerando as contratações do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), somadas às do Agroamigo, no valor de R$ 3,07 bilhões, 75,8% foram aplicados no semiárido. Levando em conta apenas as aplicações do Agroamigo, 76,6% beneficiaram produtores rurais dessa região.

Ceará

Em 2019, o Banco do Nordeste aplicou R$ 8,2 bilhões no Ceará, distribuídos em 1,79 milhão de operações, registrando evolução de 7% em termos de quantidade e de 2,9% em valores, em relação ao exercício anterior. Com recursos do FNE, o Estado alcançou R$ 4,09 bilhões em 75,03 mil contratações.